8 dicas para melhorar o relacionamento entre família e escola

Desenvolvimento humano: esse é o principal objetivo que une educadores e famílias. Cada um a seu modo, pais e escola desejam que o aluno inserido na instituição alcance esse ideal e que suas potencialidades sejam plenamente ampliadas. Para isso, um bom relacionamento entre família e escola é fundamental.

Apesar desse objetivo comum, aparentemente algumas expectativas entre as partes são conflitantes, causando desgastes ou indiferença. Mas quais são as razões para isso? Que falhas prejudicam essa relação? Como é possível evitá-las, melhorando a conexão entre pais e escola?

Se você entende a importância desse relacionamento e quer promovê-lo em sua instituição de ensino, não perca as dicas que selecionamos neste post para fazer dos pais verdadeiros aliados na missão de educar!

Quais são as falhas que prejudicam a relação entre família e escola?

Geralmente, quando ocorre qualquer tipo de desgaste, o mais comum é que ambas as partes tenham algum tipo de responsabilidade na situação. No entanto, as instituições de ensino se pautam na missão de educar.

É um gesto de consciência que seus gestores tomem medidas para promover essa interação. A seguir, vamos analisar algumas falhas cometidas no ambiente escolar que interferem nessa relação:

Falta de comunicação

Um dos pontos essenciais para o sucesso de qualquer relacionamento é a comunicação. Com escolas e pais, a situação é a mesma.

Uma instituição de ensino que não se comunica com os responsáveis — seja a respeito de seus objetivos e métodos ou mesmo informações simples, como datas e eventos — está abrindo caminho para a insegurança.

Portanto, certifique-se de que a família tenha acesso fácil a todas as informações: proposta pedagógica, conteúdo programático, calendário escolar e realização de atividades extracurriculares.

Se, antes mesmo de perguntarem, os pais já tiverem a resposta, você demonstrará organização e credibilidade, além de conquistar a confiança de sua clientela. Mas como garantir isso? Os recursos tecnológicos estão aí para ajudar nessa missão.

Debata com a equipe escolar e com os próprios pais a respeito de qual é a melhor forma de estabelecer essa via de trocas de informações. Que tal criar um portal para os pais no próprio site da escola? Lá, eles poderão acompanhar o cronograma da instituição, conferir conteúdos de seus interesses e até conversar com outros pais.

Nesse caso, não se esqueça de disponibilizar um membro da equipe para gerir e monitorar o espaço de comunicação que for escolhido. Esse detalhe é muito importante para garantir que todas as manifestações sejam consideradas e encaminhadas à direção.

Falta de interação com a família

As escolas que restringem o contato ao momento em que os responsáveis deixam a criança na porta, ou às reuniões de pais e mestres, perdem a oportunidade de conquistar aliados. Afinal, quanto mais a família participar de atividades e for envolvida em programações pedagógicas, maiores serão as chances de ela se engajar em torno de objetivos educacionais.

E quem também ganha com isso são os filhos. Eles se sentem mais confiantes ao perceberem que suas famílias acompanham cada passo da jornada escolar.

Por outro lado, como trazer os pais para dentro da instituição quando as famílias vivem rotinas cada vez mais corridas, devido ao trabalho e a outras atribuições do dia a dia? Pense neles (e junto com eles).

Peça a opinião de cada um, faça uma pesquisa sobre o perfil dos pais. Identifique que tipo de ação é mais interessante para eles: palestras, encontros ou atividades beneficentes, entre diversas outras opções.

Você já pensou em fazer um ciclo de oficinas, tendo os pais como ministrantes em suas áreas de atuação? Ou um concurso literário, para trabalhos realizados por pais e filhos, em conjunto? São ideias como essas que podem estimular e inspirar a participação das famílias na rotina da escola!

Falta de feedback

Mais do que uma seleção de aptos ou não aptos, a avaliação deve promover uma visão do crescimento do aluno. Porém, muitas vezes, a instituição se volta para o aspecto das “notas” e se esquece de demonstrar aos pais o quanto (e como) seus filhos se desenvolveram dentro da escola.

Exibir aos responsáveis o resultado das produções individuais das crianças e da turma é uma ótima maneira de fornecer um feedback e mostrar a eles que valeu a pena confiar a educação de seus filhos à sua instituição. Além disso, os responsáveis são orientados e estimulados a acompanhar os estudos dos pequenos em casa — hábito indispensável para a obtenção de boas notas.

Corrigindo, enfim, esses três erros, você pode ter certeza de que a relação entre a família e a escola terá um estreitamento valioso. Mais do que corrigir falhas, é possível estabelecer um contato mais próximo. Então, que tal ir além?

Como melhorar o relacionamento entre família e escola?

Algumas ações muito simples podem estreitar os laços entre as partes, promovendo confiança e reciprocidade. Veja quais são elas:

Apresente o plano de ensino

Quando percebem que a escola sabe aonde quer chegar e o caminho para atingir o alvo, os pais se sentem mais confiantes quanto à escolha que fizeram. Portanto, apresente a eles as atividades que deverão ser desenvolvidas ao longo do ano, a importância de cada uma delas e os conceitos inovadores que deseja implementar.

Vale desde chamar as famílias para um grande evento de apresentação no início do ano letivo até enviar versões resumidas do plano de ensino por e-mail. Qualquer que seja o método, estimule os pais a acompanhar e a interagir com o programa proposto.

Lembre-se de que aquilo a mente não entende é combatido. Portanto, se você quer pais engajados (e não desconfiados), certifique-se de que eles entenderam bem a sua proposta.

Cumpra os planos propostos

Não adianta fazer uma ótima propaganda e não cumprir o prometido. Se você conseguiu encantar os pais com a sua proposta, terá de cumpri-la para solidificar essa relação de confiança estabelecida.

E, para que uma escola atinja os mais altos níveis de sucesso, reconhecimento e qualidade, é fundamental contar com uma equipe motivada e comprometida. Independentemente do setor ou do cargo, todos devem vibrar na mesma sintonia da instituição.

Disponibilize o trio gestor da escola

O trio gestor é formado por três profissionais, sendo que o desempenho de cada um é a espinha dorsal de qualquer quadro escolar. São eles: o diretor, o coordenador pedagógico e o supervisor.

O primeiro lidera a gestão administrativa e pedagógica da escola. Para exercer tal função, é essencial que o profissional tenha vasta experiência, tanto em sala de aula quanto em gestão educacional.

Já o coordenador pedagógico é o responsável por definir métodos e planos de ensino, atuando junto ao corpo docente para esboçar aulas, acompanhar os alunos e implementar melhorias de ensino. Ele deve, ainda, estar de olho no constante aprendizado e no aperfeiçoamento docente, mantendo uma equipe afiada.

Por fim, o supervisor atua no apoio, na avaliação e na orientação do time escolar. Está, portanto, ligado às Secretarias de Educação, formando o elo do educandário com as diretrizes educacionais em vigência no país.

Todos esses profissionais, cujos trabalhos são intensos e árduos, precisam reservar um tempo em suas agendas para atender aos pais. Afinal, muitas das suas inquietações não são resolvidas pelo professor.

Sendo assim, crie uma relação de confiança entre as duas partes. Promova encontros, estreite a comunicação, deixe os canais de contato abertos. Esse tipo de atitude faz com que as famílias se sintam mais confiantes em relação à escola — o que também será refletido no desempenho dos pequenos.

Divulgue os resultados

Se antes a comunicação era complexa e dependia da vinda dos pais à escola, hoje essa realidade mudou. Com toda a tecnologia disponível, os responsáveis podem receber notícias sobre como o plano está sendo executado de forma atraente e inovadora. Lembre-se da ideia do portal dos pais, que citamos anteriormente!

Mas essa não é a única opção. Divulgue seu trabalho por meio de páginas nas redes sociais, newsletters, soluções de e-mail marketing ou boletins e faça os pais entenderem por que a instituição que você representa é o melhor lugar para os seus filhos!

Traga a família para a escola

Como dissemos, programações escolares criam um ambiente em que os responsáveis se sentem confortáveis e acolhidos. Contudo, sabemos que mobilizar as famílias para as atividades pode ser um grande desafio.

Embora existam muitas formas de promover essa aproximação — como palestras que atendam às necessidades dos pais ou eventos sociais e culturais, entre outras —, não é recomendável se restringir a essas opções.

Não se esqueça de que nem todos os pais terão a disponibilidade de comparecer a todo o calendário proposto pela escola. Assim, muito mais do que as fórmulas prontas, é importante que tanto um quanto o outro encontrem maneiras próprias de relacionamento, que sejam viáveis, dentro de suas realidades.

Entenda os perfis e as necessidades de cada família e ofereça opções. Dessa forma, haverá crescimento e real engajamento de todos os envolvidos no espaço escolar.

Além disso, algumas dicas e ideias podem te ajudar a elaborar eventos escolares originais e atrativos. Vejamos:

  • clube de pais;
  • mutirões (para mudar a pintura das salas ou redecorar o pátio, por exemplo);
  • ciclo de palestras (quais temas interessarão mais aos pais? Pesquise!);
  • shows de música, dança ou peças teatrais exclusivas para as famílias;
  • elaboração de um jornal ou revista temática — os pais deverão trazer ideias de matérias;
  • exposições de trabalhos feitos pelos alunos — pense em ideias e formatos diferentes, como uma linha do tempo mostrando a evolução escolar ou uma exposição com um tema
  • especial, como a história da cidade;
  • quiz online, com premiações;
  • canal de vídeos feitos por alunos e professores, para serem assistidos em casa.

Deixe as portas abertas

Aqueles pais que não conseguem participar das atividades da escola e, além disso, não se adaptam aos canais de comunicação online devem ser estimulados a contatar a escola eventualmente, para uma conversa com professores e equipe diretiva.

Nesse sentido, vale desde breves ligações de acompanhamento até visitas em um dia apropriado para eles. O importante é deixar as portas abertas para esses pais, que, mesmo diante de uma rotina atarefada, se sentirão estimulados a participar da vida escolar.

Mantenha as informações sempre disponíveis

Lembre-se: informação gera segurança e confiança. Por isso, é importante que todas os dados estejam sempre disponíveis para os responsáveis, da maneira menos burocrática possível.

Se a família tiver acesso fácil aos boletins da criança, às tarefas que precisa realizar, aos comunicados que a escola envia e às datas importantes, grande parte de suas expectativas já estarão satisfeitas.

Inclusive, um ponto importantíssimo sobre isso é que, hoje, as pessoas têm cada vez menos tempo para buscar por informações. Portanto, é inconcebível a ideia de telefonar para a instituição e aguardar enquanto a ligação é passada de um ramal a outro até chegar à pessoa que possa responder.

Isso, além de tomar o tempo do responsável, despende os recursos humanos de forma improdutiva, desperdiçando tempo em atendimentos pouco eficazes.

Atualmente, existem recursos que permitem a expedição automática de comunicados por meio de sistemas que utilizam até aplicativos para interagir com a família. Assim, o tempo dos funcionários da instituição é otimizado, agilizando os procedimentos e melhorando consideravelmente o relacionamento entre pais e escola.

Ajude o responsável a entender qual é o seu papel

Não é incomum ouvirmos que as famílias “terceirizam” a educação de seus filhos para a escola. E isso não é mesmo adequado. Então, de que forma é possível modificar esse cenário? Mostrando para pais e mães a importância de seus papéis na educação de jovens e crianças — e ajudando-os nessa tarefa.

Uma ação muito simples nesse sentido pode ser feita imediatamente: que tal se, junto ao tema de casa, a escola enviar sugestões de atividades caseiras para exercitar o conteúdo aprendido em aula?

Essa ideia traz diversos benefícios. A escola aproxima o responsável — que consegue colocar em prática o seu papel de educador — e os filhos se sentem orgulhosos ao demonstrarem conhecimento aos mais velhos, tendo até mais confiança para se abrirem se tiverem dúvidas ou reclamações.

De fato, dependendo da personalidade dos pais, essa tarefa pode ser difícil. Contudo, com muito diálogo e orientação, é possível, sim, obter bons resultados.

E os filhos, o que ganham com isso?

Tudo é feito em nome deles, não é? Portanto, nenhum esforço deve ser medido na educação de um ser humano que, no futuro, será o cidadão responsável por qualificar a sociedade e construir um mundo mais correto.

Quando percebem que são indivíduos valorizados, que suas ações e seus esforços têm reconhecimento e que os pais e professores demonstram afeto e empolgação com suas vitórias, os alunos se desenvolvem de forma muito mais saudável. Afinal, crescer sabendo que é possível contar com o apoio da família e dos docentes é um grande incentivo para estudantes de todas as idades.

Como elo que liga a comunidade escolar, o aluno merece essa atenção. O mais importante é que o resultado não se refletirá somente no boletim, mas em toda a vida dos egressos de sua escola.

Viu só como um bom relacionamento entre família e escola promove o engajamento dos estudantes e estimula o aproveitamento acadêmico? Para continuar se mantendo informado, assine a nossa newsletter e receba os próximos conteúdos em primeira mão!

Trackback do seu site.

ADICIONE SEU EMAIL
Junte-se ao grupo de pessoas que recebem nossos emails.

Share This