Veja como agir para identificar e prevenir o bullying na escola

Veja como agir para identificar e prevenir o bullying na escola

Sua escola está atenta ao bullying? Ele é caracterizado como a prática de atos agressivos contínuos em que há intenção do autor em ferir física ou moralmente. São atos repetidos contra alvos constantes, sendo que há tipos de alvos específicos e há um público que prestigia as agressões.

O bullying é um tema atual que deve ter total atenção dos gestores, professores e pais para prevenir as agressões dentro e fora da escola. Existem diversos projetos que visam proteger as vítimas dessas ações, especialmente os mais atingidos, que são as crianças e adolescentes.

Isso é, na escola eles acontecem, em geral, da seguinte forma: o agressor, normalmente alguém popular, líder de pequenos grupos, escolhe alvos frágeis e começa atos de agressão verbal e/ou física de forma contínua e conta com expectadores, que muitas vezes não deixam de rir ou denunciam esses atos por medo de se tornarem as próximas vítimas.

Os principais tipos de vítimas são os alunos diferentes, seja pela cor do cabelo, cor da pele, deficiências, formas de vestir, peso ou sotaque. Também são vítimas os indefesos, que mostram medo e choram e os que são poucos sociáveis e que têm dificuldade de relacionamento e de se defender. A escola pode prestar atenção nos estudantes que se encaixam nessas características para perceber se há algum tipo de agressão recorrente contra eles.

Há alguns sinais que podem indicar se um estudante é vítima de bullying. Entre eles estão: a criança não querer ir ou pedir para trocar de escola, voltar dela com roupas ou livros rasgados, apresentar baixo rendimento escolar e isolamento. Os sintomas que a vítima de bullying pode apresentar são a depressão, agressividade, baixa autoestima, ansiedade, medo, entre outros.

Leia também  Educação e mundo: o uso das novas tecnologias em sala de aula.

Como evitar estas práticas

Para evitar o bullying na escola, os gestores escolares podem seguir algumas dicas essenciais como:

  • Mobilizar a comunidade escolar para uma campanha permanente de respeito às diferenças;
  • Implantar regras anti-bullying;
  • Ouvir sugestões e reclamações dos alunos em relação ao assunto;
  • Estimular os alunos a informarem os casos;
  • Prevenir por meio de interferência direta nos grupos, antes que o bullying aconteça;
  • Exibir filmes sobre o tema, para levantar o debate e discutir dentro da escola.

Quando um caso é identificado, a escola deve agir imediatamente e de forma delicada. Ela deve recuperar valores como o respeito entre os alunos e não pode legitimar as ações do autor das agressões, mas também não pode humilhá-lo ou puni-lo com medidas que não estejam relacionadas ao mal causado. Já a vítima de bullying precisa ter sua autoestima fortalecida, sentir que está num lugar seguro para falar sobre o que aconteceu. Também é preciso conversar com os alunos que assistem as ações, pois estas crianças fazem parte disto.

Tanto o autor das agressões quanto a vítima precisam de acompanhamento e apoio psicológico, cabe a escola dialogar com os pais e alunos sobre os conflitos e resolve-los da melhor forma possível.

Deixe um comentário

ADICIONE SEU EMAIL
Junte-se ao grupo de pessoas que recebem nossos emails.

Share This